A ÚLTIMA CARTA PRA VOCÊ.

segunda-feira, setembro 18, 2017

Eu prometi que não escreveria sobre isso. Jurei pra mim milhões de vezes que eu tenho que parar de escrever sobre tudo; às vezes dói demais ouvir as verdades que o nosso coração quer falar. Por isso, eu as ignorei. Ignorei até onde eu pude, mas é ruim conviver com aquela verdadezinha sempre batendo na sua porta. 
Primeiro de tudo, quero dizer que talvez o que eu vou escrever agora não seja tanto pra você e sim,para mim. Eu só organizo as minhas ideias e pensamentos escrevendo. Sempre foi assim; na escola, na faculdade e com todos os problemas da minha vida, sempre dei mais certo colocando tudo em um papel.
Antes de qualquer coisa, quero dizer que eu te amo tanto, tanto, tanto, que dói, literalmente. Já me apaixonei muito nesse tempo, mas a maioria perdeu a graça em menos de um mês. Com você, foi diferente. Você conquistou o meu amor pouco a pouco, sendo o meu amigo acima de tudo (obrigada por isso). Eu amei você durante todas as brigas, até as piores nesse pequeno espaço de tempo que tivemos "juntos"; queria ter demonstrado mais. Eu acredito que você goste de mim. Pode parecer que estou me gabando, mas todas as vezes que eu quis, eu consegui causar certo sentimento. Mas comigo não foi amor.
Por amor, você passa por cima de certos conceitos. Procura sempre estar perto e mostrar que está perto. Você quer gritar em todo canto possível o sentimento que tanto se aloja dentro do seu peito. Pra mim, amor de verdade é querer ver a pessoa feliz, seja com quem for ou como for,longe ou perto. Mas você preferiu a minha infelicidade do que se ver infeliz, me mantendo perto de você sabendo que talvez nunca poderia ser meu.
Eu espero que esse tempo tenha sido bom pra você ver o que realmente quer e ter decidido ir atrás; eu admiro quem se redime dos seus erros. Só desejo que você seja feliz e que saiba que eu teria feito muito por você, só não tive oportunidade.
Eu acredito tanto no amor e busco tanto isso, eu sei que vou encontrar. Mas também sei que não vai ser em você.


 Desirée Marins.

Veja também

0 comentários